"There is more treasure in books than in all the pirates' loot on Treasure Island." - Walt Disney
Add this book to bookshelf
Grey
Write a new comment Default profile 50px
Grey
Subscribe to read the full book or read the first pages for free!
All characters reduced
Auto de Mofina Mendes - cover

Auto de Mofina Mendes

Gil Vicente

Publisher: epf

  • 0
  • 0
  • 0

Summary

O Auto de Mofina Mendes é uma peça de teatro de Gil Vicente apresentada pela primeira vez em 1534, em Lisboa, ao rei D. João III e endereçada às matinas do Natal.
A peça abre com um monólogo de um frade que fala em jeitos de pregador. Ido este, iniciam-se duas narrativas paralelas que são entre si apresentadas alternadamente. Ambas possuindo sensivelmente a mesma dimensão, a primeira trata da Anunciação à Virgem e consequente gravidez, a segunda representa as peripécias de um azarado grupo de pastores. À medida que Maria recebe a Boa Nova do Anjo Gabriel e questiona quatro das Virtudes sobre que decisões tomar face a tal fenómeno, os pastores vão tentando descobrir o que aconteceu à maioria do seu gado, que se encontra desaparecido. Ao perceberem que muitos dos animais morreram, o Anjo Gabriel desce à sua presença e indica-lhes que deverão ir a Belém assistir ao nascimento de Jesus Cristo.

Other books that might interest you

  • A notícia como fábula - realidade e ficção se confundem na mídia - cover

    A notícia como fábula -...

    Renato Modernell

    • 0
    • 1
    • 0
    Às vezes, a única coisa verdadeira num jornal é a data?, disse Luis Fernando Verissimo. Tomar ao pé da letra essa frase bem-humorada do cronista pode não ser um bom negócio. Porém, ainda mais temerário seria aceitar a hipótese oposta, ou seja, de que tudo acontece do jeito que o jornalista nos conta. Certos recursos de escrita e de edição aumentam tanto a temperatura do texto que provocam a fusão entre a fantasia e a realidade. Esse fenômeno misterioso, com seu toque de alquimia, é o que Renato Modernell investiga em A notícia como fábula.
    Show book
  • Espíritos do Senhor - cover

    Espíritos do Senhor

    Espíritos Diversos, Bárbara Cruz

    • 0
    • 0
    • 0
    'O Espíritos do Senhor, ou os Espíritos de Deus, conforme esta notação do Espírito de Verdade que Allan kardec utiliza como prefácio de O Evangelho Segundo o Espiritismo, nada mais são para nós do que a maior referência espírita, ou seja, aqueles irmãos mais velhos, justos e iluminados que voltam em nome de Jesus e liderados por ele, a fim de, através da revelação espírita, relembrar, 'reproclamar' o que em tempos passados, nas tribos de Israel já havia sido dito! Que de nossa parte nao seja só uma homenagem, mas uma lembrança do caminho a seguir!'
    Show book
  • A Boca da Noite - Colectânea de Contos - cover

    A Boca da Noite - Colectânea de...

    Tatiana Pereira, André...

    • 0
    • 2
    • 0
    "Os dias passam negros e mudos, os dias, as semanas, os meses, os anos, as décadas e os séculos são negros e mudos. Por vezes chego a pensar que o tempo avança no sentido inverso, dia após dia, ano após ano, século após século até chegar à origem do Mundo."Tatiana Pereira
     
    "Uma criança pequenina, violada pelas raízes da terra e amordaçada no silêncio negro do céu."André Consciência
     
    "...observou Mary, não muito longe do sítio em que estava, aproximar-se da margem do rio e, com um punhal na mão, agarrar uma pequena corça, degolando-a de imediato e arrastando-a para a densa floresta."Emanuel R. Marques
     
    "O buraco no chão da sala por onde todos sairam continua aberto mas tiveram o cuidado de colocar uma vedação vertical em torno dele para que ninguém caia para o seu interior."Nuno Bastos
     
    "O astro brilhava majestoso nos céus do poente, quieto, qual sentinela. Avançaram por entre as ruelas sombrias e fétidas, Melichior, o que falava com o astro, conduzia-os."Jesus Carlos
    Show book
  • Fantasmas não dizem adeus - cover

    Fantasmas não dizem adeus

    Alexandre Kahtalian

    • 0
    • 0
    • 0
    O fio condutor da história aqui narrada pelo psicanalista Alexandre Kahtalian é a delicada relação de um adolescente e o seu avô paterno, numa interlocução que traz os conflitos do presente à sombra fantasmagórica de um passado não menos problemático. E é aí que a narrativa se torna um fio desencapado, nos envolvendo numa teia de tensões em tempos diferentes, tendo ao fundo de um conturbado quadro familiar recortes da vida social, política e cultural do país na segunda metade do século vinte.
    Show book
  • Soberania Popular e Razão Política - Um confronto entre Habermas, Rawls e Taylor - cover

    Soberania Popular e Razão...

    Onelio Trucco

    • 1
    • 12
    • 0
    La cuestión en torno a la constitución de la soberanía origina, creemos, tres preguntas acerca el uso legítimo del poder: quién, cómo y por qué. Nos parece que en torno a estas tres preguntas, en una trama de diferenciaciones y matices que forman una red dispersa, se continúan articulando las respuestas de las diversas posiciones que en filosofía política intentan componer la diversidad con la unidad. La idea de democracia moderna nace con una sospecha sobre su viabilidad. Rousseau es el primero que formula esa precaución como problema central, Hegell la refina y Marx la radicaliza. Desde entonces deviene una sucesión de interrogantes que perduran hasta la actualidad. En este libro intentamos desarrollar una articulación de esas cuestiones en la actualidad, teniendo como centro la noción de soberanía popular, mediante la confrontación de tres posiciones acerca la democracia y la razón política. Esas tres posiciones son las de J. Habermas, J. Rawls y Ch. Taylor.
    Show book
  • Auschwitz - Prisioneiro (sobrevivente) 186650 - Romance baseado na história de Francisco Balkanyi - cover

    Auschwitz - Prisioneiro...

    Maura Palumbo

    • 0
    • 0
    • 0
    'Tenho 88 anos e não vou viver para sempre. Por isso é muito importante continuarmos a contar essa história para que o mundo nunca se esqueça do que aconteceu.' Ao ouvir este trecho da entrevista de Francisco Balkanyi, Maura Palumbo decide ser a porta-voz dessa história.Francisco Balkanyi nasceu no Uruguai em 1928. Seus pais, húngaros, atendendo aos pedidos da família, decidem voltar para seu país. Assim, com menos de dois anos de idade, Francisco chega a Cakovec (hoje território da Croácia). Se ao menos pudessem imaginar o que os esperava...Em maio de 1944 Francisco e seus pais são levados para Auschwitz no primeiro trem de judeus húngaros. Aos quinze anos, Francisco passa a viver todo o drama de um campo de concentração. Libertado pelos norte-americanos no fim da guerra, retorna ao Uruguai para refazer a vida e finalmente se muda para São Paulo em 1971. O número 186650, tatuado no antebraço esquerdo e quase apagado pelo tempo, ainda é um sinal de sua vitória.Neste livro, Francisco Balkanyi e Maura Palumbo relatam as dolorosas situações que ele vivenciou no maior campo de extermínio humano e que devem ser um alerta para que as futuras gerações não se deixem levar por doutrinas que conduzam ao fanatismo.Leia um trecho:“O exército invadiu a casa, a papelaria, a livraria e a gráfica da família de Francisco. A ordem era para que todos os judeus se apresentassem na sinagoga. Uma lista dos judeus da cidade já havia sido providenciada, impossibilitando qualquer tentativa de fuga. A ameaça era clara: quem não se apresentasse seria capturado e fuzilado, e os reféns seriam mortos.— Eu ficarei com as chaves — disse o oficial a Lajos.Francisco ainda não conseguia assimilar a extensão do problema e, junto com seus pais, foi escalado para o primeiro transporte, acreditando que iriam permanecer juntos trabalhando na região rural de alguma cidade húngara.Mas Lajos, que havia trabalhado como ferroviário no final da Grande Guerra, antes de ir para o Uruguai, conhecia o caminho e percebeu que em determinado trecho da viagem o trem desviou em direção à Polônia. Neste destino os campos não semeavam vida...”
    Show book